jusbrasil.com.br
20 de Janeiro de 2018

[Enquete] Você acha que deveria haver concurso público para ocupar cargos políticos? Por quê?

Jusbrasil Perguntas e Respostas
há 2 meses

No Brasil para ser candidato a um cargo politico, somente é preciso ser escolhido em uma Convenção Partidária, ainda não é necessário concurso público para ocupar tais cargos. Dada sua importância, propomos um debate fundamentado, justamente por ser um tópico que provoca os ânimos e pela falta de informação da população em geral. Por isso convocamos vocês, da maior comunidade jurídica do mundo, a opinar sobre o assunto. Você apoia que deveria haver concurso público para cargos políticos antes das eleições? Por quê?

Imagem relacionada

Tem uma opinião? Então deixe seu comentário abaixo. Gostaria de ver mais opiniões? Recomende este documento para que ele chegue em mais pessoas. O Brasil agradece!

120 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

A inserção de concurso público para a promoção de pessoal em âmbito político é uma proposta interessante. Primeiro, por selecionar candidatos mais bem preparados para os cargos, excluindo-se, assim, aqueles cidadãos que se prevalecem de um poder aquisitivo ensejador da "popularidade", requisito este essencial para angariar votos. Em segundo aspecto, teríamos um fomento ainda maior pelo conhecimento e incentivo à educação, tornando mais justa a seleção para os cargos públicos, afinal, àqueles desprovidos de recursos financeiros também teriam a oportunidade através de um processo seletivo que leva em conta o conhecimento e não somente o poder aquisitivo e a popularidade. continuar lendo

"àqueles desprovidos de recursos financeiros também teriam a oportunidade através de um processo seletivo que leva em conta o conhecimento e não somente o poder aquisitivo e a popularidade".

Quantas pessoas desprovidas de recursos conseguem aprovação num concurso público de cargos de alto escalão? Isso é TÃO EXCEÇÃO, que quando acontece, vira capa de jornal.

Sou servidor público, amante de concursos públicos, mas essa ideia é péssima. Privilegia uma minoria, e é altamente irrealizável do ponto de vista político, completamente antidemocrático. continuar lendo

As questões não deveriam ser por escolha, e sim dissertativa, haja visto que também poderiam passar por sorte e não pelo mérito do saber continuar lendo

Proposta muito mal intencionada. Sabemos que poucos neste país é aprovados em concursos de alto níveis e muitos fraudados também. É apenas mais um mecanismo para tapar sol com peneira, dando uma sensação de conforto aos incautos, arrecadação de dinheiro dos ingênuos e fraude na certa para os "espertões". continuar lendo

Se para todo e qualquer cargo público de empresa pública deve-se realizar concurso público, estender aos cargos políticos tornaria a máquina muito mais produtiva e qualificada. Seria mais honesto e mais igualitário além de deixar de ser moeda de troca. continuar lendo

E muito mais barato também. continuar lendo

Não deve haver concurso para políticos. A escolha deve ser por meio de voto, da maneira como é atualmente.
Todos os cidadãos tem o direito de escolher seu representante livremente, e se restringir o acesso ao cargo político por meio de provas de concursos, seremos representados por pessoas que não terão compromisso com as pessoas, e sim, com o seu próprio mérito.
A solução é aperfeiçoar o modelo atual de escolha dos eleitos, aplicar penas severas contra os ocupantes de cargo político que obstruírem a lei, e principalmente, fortalecer a Polícia Federal, a ABIN, o Ministério Público e o Tribunal de Contas em todas as esferas, para que tenham atuação intensa em todos os atos praticados por Agentes Públicos. continuar lendo

E mesm,o? Voce deve estar de olho nessa boquinha então. Chega de semi alfabetizados se candidatando pra não saber redigir uma petição. Acabar com essa pouca vergonha no Brasil. continuar lendo

A seleção a qual se refere é tão somente para o aprovado concorrer ao pleito, não é para ocupar o cargo já como aprovado na seleção, É para que os analfabetos não se candidatem como ocorre no sistema atual. Acho feio e ridículo um parlamentar não saber ler um documento no plenário, como acontece nas diversas Câmaras Municipais do Brasil. continuar lendo

@joseevaldoo desde quando ser alfabetizado é um sinal de ter vergonha? Moral e caráter não são ensinados em escolas ou faculdade. continuar lendo

@ziha concordo que moral e caráter não são ensinados em escolas e faculdades. Porém, para os cargos políticos, o senhor não acharia melhor políticos que conseguissem ler aquilo que estivessem assinando, sendo assim, de fato, ativos, de maneira que viessem a contribuir com novos projetos também? Como um analfabeto hoje, no Brasil, pode confiar em algo que alguém está lendo para ele, pensando em um projeto de lei? Infelizmente, não se pode confiar em ninguém, e precisa-se urgentemente de pessoas capacitadas para tomar as rédeas desse país. continuar lendo

@meccruz, concordo que o ideal é que os eleitos saibam o que estão assinando. E pensando com seu parâmetro, basta que o eleito tenha o primeiro grau completo. "Ah, mas as escolas são ruins..." Aí o problema é outro e não será faculdade que irá mudar isto, pois já topei com muito formado que é um completo analfabeto funcional.

O que pode acontecer, e há humoristas que já fizeram isto, são políticos que assinam SEM ler. Me recordo de UM e apenas UM que leu e discordou, pois incluir cachaça na cesta básica não foi uma boa ideia. Mas ele LEU e o restante apenas assinou.

Mas vamos combinar também? Quase a totalidade dos eleitos são perfeitamente capaz sim de ler e entender o que estão assinando. Até já vi reportagens de eleitos anafabetos funcionais, mas não são estatisticamente significantes a ponto de justificar os custos (seja financeiro ou mesmo de paralização de projetos muito mais importantes) de um debate para a mudança.

Com seu parâmetro, dado que as mudanças são nas Leis e para que houvesse compreensão do alcance e impactos que a mudança da Lei traria, seria necessário formação em direito aos candidatos não acha?

Entendo a preocupação, mas não vejo como restrições à liberdade de escolha pode ser melhor. continuar lendo

@ziha Não somente em direito. Porque o direito é uma construção social. Precisamos de candidatos de todos os cursos. É hipocrisia acharmos que só quem estudou Direito tem essa condição de formular leis. Até porque as leis geram diversos impactos, socais, culturais, econômicos. A questão é que, para essa enquete, nós, cidadãos, deveríamos ter mais consciência sobre os deveres dos políticos, já que, aparentemente, estamos votando nas pessoas erradas.
É uma forma de tentar proteger o país de catástrofes como a Dilma, saudando a mandioca. É um tema bem amplo, né? Já conversei sobre isso com meus professores, um deles acha a ideia totalmente inconstitucional. Eu, sinceramente, acho que uma análise mais específica das capacidades mentais, psicológicas dos políticos devem ser analisadas. Concurso público também não é o melhor jeito de selecionar. Ele não avalia ética e moral, por exemplo.
O problema é o método. Concordo que os políticos precisam preencher pré requisitos para se candidatarem, mas falar quais são me deixa confusa. Porém, do jeito que está, não está bom. continuar lendo

@meccruz, quem votou em Dilma jura ter feito uma boa escolha. Podemos até considerar Dilma uma estúpida, mas não podemos dizer que quem votou nela está errado, pois teríamos que afirmar que existe um jeito certo de votar e aí discordo. continuar lendo

Claro que deve ter concurso público. E sem auqela de 3 perguntinhas e assinala a que achar que está certa. Tem que ser através de redação, justificar as respostas. Se aprovado, ainda ter entrevista e sustentação oral. Tem que provar que está habilitado para a função. E ja que estamos falando de cargo público, acabar com a mamata, de ter salários elevadissimos. Assume o cargo quem quer, não é obrigatorio. Salário base, sem verbas extras pra tanta mordomia. Mais ainda, se não desenvolver a função de forma integra, tem que ser exonerado, sem direito a nenhuma gratificação. continuar lendo